Joinville 81 x 91 Flamengo

Data: 06/02/2018 às 20h
Centreventos Cau Hansen

A bola subiu e quem se deu melhor no tapinha foi Jeronimo, colocando a bolas nas mãos dos companheiros, que seguiram firme para o ataque, quando no arremesso, Johnson sofreu falta. Da linha de lance livre abriu o placar, na sequencia depois de muita força da defesa, voltamos ao ataque e desta vez com Jeronimo, marcamos novamente. Porém a dianteira não perdurou e logo o adversário achou espaço para bolas de 3 e abriu certa vantagem, aos 5:49 do 1º quarto o placar era de 6 x 10. Após dois ataques mal sucedidos do oponente, viramos o placar, com direito a enterrada de Jeronimo e uma bandeja de Stocks, restavam 3:14 para o final do período e o placar era de 13 x 12. A partir dai Flamengo deu uma renovada nos atletas e ganhou novo ânimo, fazendo com que nossa defesa não fosse tão intensa e permitiu que abrissem vantagem, ainda descontamos com dois lances livres certeiros de André Bambu. Parcial de 15 x 22 e apesar da baixa pontuação da nossa equipe, o aproveitamento foi muito bom, foram 15 de 21 tentando, um aproveitamento de 71%.

O quarto começou quente, a defesa firme, brigando a cada bola, lutando para defender nosso garrafão, com garra, buscando segurar a ampliação da vantagem e ao mesmo tempo reduzindo-a ponto-a-ponto. Aos 6:31 o placar era 23 x 27. O ponto alto do quarto foi a entrada de Dieguinho. O garoto mostrou postura, frieza, comandou a equipe na maior harmonia. Essa formação permitiu depender menos dos arremessos de 3 pontos e apostar mais nas infiltrações, fosse sozinho como Tiagão e Felipe, ou com assistência como foi com Jeronimo, restando 2:08 o placar era 33 x 36. Pressionado o adversário partiu para cima e recorreu as bolas de 3 para se distanciar. Restando 1:25 o placar era de 33 x 42, descontamos com dois arremessos de lance livre de Johnson e fomos para o intervalo com placar parcial de 35 x 42. Destaque que encerramos o quarto empatados com parcial de 20 x 20 e mais uma vez o bom aproveitamento dos arremessos vale o destaque, foram 20 pontos em 28 tentados, enquanto o oponente fez 20 pontos em 34 tentados. Ainda estávamos no jogo, não havia nada decidido.

No quarto seguinte, tentamos manter o foco na defesa, mas a capacidade de se restruturar do oponente foi forçando nossos atletas e conseguindo espaços, a vantagem passou para 10 pontos, mesmo com o arremesso certeiro de 3 pontos de André Bambu ou a linda bandeja de Stocks, seguida de arremesso certeiro de Jeronimo após belo passe. Aos 6:56 o placar mantinha diferença construída nos quartos anteriores, com pequena ampliação 41 x 51. Próximo a metade do período Felipe teve um ataque bem sucedido e na sequencia Stocks recuperou a bola e foi para o ataque, dando uma assistência para Felipe tranquilamente deixar uma de 3 pontos. O jogo estava nervoso, algumas discussões esquentaram os ânimos. Aos 5:26 o placar era de 46 x 53 e foi com arremessos certeiros de Johnson e André Bambu que chegamos a 51 pontos, ainda com 8 pontos para recuperar. Faltando 2:32 Stocks interceptou um passe de longa distância e literalmente voou, foi sozinho para bandeja e sofreu a falta, convertendo os 2 lances livres para descontar. Antes do cronometro zerar ainda teve uma bonita briga no garrafão aonde Felipe, apesar de sofre falta, ficou com a posse de bola, que entregou para Stocks ir para bandeja do jeito que gosta. Final do período 59 x 65.

E chegou o derradeiro e decisivo quarto, que começou animado com uma bela cesta de 3 de Willian, quebrando tudo. Aos 8:48 vínhamos administrando a partida, o placar era 62 x 67, porém a produção não correspondia. Foram momentos de muita tensão, ânimos exaltados e baixa produção para os dois lados, tanto que aos 6:12 o placar ainda era de 67 x 69, confirmado com um arremesso certeiro para 3 pontos de William. A diferença era de apenas 2 pontos, mas manter o ritmo foi ficando difícil. Tentamos manter a postura, o ritmo, até porque nesse momento Dieguinho havia voltado para a quadra também. O que houve foi um avanço do oponente, que voltou a abrir vantagem e forçou a equipe a ir para o tudo ou nada. Faltando 2:02 para o término a vantagem era de 15 pontos, a maior até então e tudo parecia perdido a equipe não esmoreceu e continuou lutando. Jerônimo recebeu o passe e enterrou. Na sequencia Stocks recuperou a bola e foi sozinho para registrar uma bela cravada. Terminamos a partida com uma bela recuperação de bola de Dieguinho que foi sozinho para deixar a sua também e ainda teve o arremesso final para 3 pontos de Felipe, final 81 x 91.

Saimos de quadra com um placar adverso, mas com muitos motivos para comemorar. Para citar; a excepcional atuação de William e Dieguinho que não se abalaram pelo peso da camisa do adversário, nem com a torcida do mesmo e foram brilhantes; a atuação de Jeronimo que também merece destaque saiu de quadra com 8 pontos dos 10 tentados e para mim uma das melhores partidas que fez; destaque para o equilíbrio da partida, mostrando que a vantagem teve que ser construída e só foi consolidada nos últimos minutos da partida, o que mostrou nosso poderio defensivo; conseguimos manter o foco na maior parte do tempo; tivemos 4 atletas com eficiência acima de 10 e pelo menos outros 2 muito próximos a isso, contribuindo para que a equipe atingisse 83, o que considero um bom número; nosso número de erros também foi baixo se comparado com do adversário que foi apenas um a mais; nosso aproveitamento dos arremessos foi bom, desperdiçamos menos bolas e isso tem um motivo: o fantástico jogo coletivo. Esta noite colecionamos belas assistências por isso.

Enfim, isso tudo para dizer que nossa equipe foi muito guerreira hoje e merece nossos aplausos e reverências. Tudo está em acreditar: em si e nos outros, porque tudo que é necessário está dentro de cada um. Que este jogo seja lição que precisávamos absorver. Parabéns garotos!

ps. destaque também para o Centreventos cheio, foi muito boa essa energia!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *